domingo, 23 de junho de 2024

E qual é a sobremesa para hoje?

Ele:
Ei malta, e hoje o que vamos comer de sobremesa?
Eles:
Caldo de grão, caldo de grão, caldo de grão. E sardinha e mais sardinha no pão.
Queremos mais, mais e mais.
Ele:
E para o ano voltamos, com novos pendões:
Manta de farrapos, caldo de grão, travessa de sardinhas e garrafão. Não é inovador e lindíssimo?
Eles:
É. É. É
E na festa do vinho como é?
Ele:
Caldo de grão, febras no pão e a caneca do vinhão

 

sábado, 22 de junho de 2024

O Busto voltou a não ter nome

Depois de muitas críticas, porque o busto de Eduardo Lourenço, não tinha o nome do homenageado, lá se resolveram a colocar uma placa, em que o nome do Presidente da Câmara está completo e no de Eduardo Lourenço faltou o “de Faria”
Foi numa época natalícia, talvez presente do “Pai Natal”
Ontem festas de S. João, reparei que a placa tinha desaparecido, como mostra a fotografia.
Foi roubada? Foi para reparar? Estava a desfigurar o monumento? Terá acontecido o mesmo que à placa do General Humberto Delgado?
Vamos ver quanto tempo demora a repor a placa.

sexta-feira, 21 de junho de 2024

Vinho e mais vinho

1 - “O Município da Guarda irá integrar o novo projeto da Comissão Vitivinícola Regional da Beira Interior, o “Beira Interior Wine Villages”. O projeto foi apresentado, no Solar dos Vinhos da Beira Interior e tem como objetivo destacar a região como um destino enoturístico de referência nacional. O projeto, terá o envolvimento de 20 municípios, e será desenvolvido pela Comissão Vitivinícola Regional da Beira Interior em parceria com a Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela e Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa.”
2 – Festa dos vinhos adjudicada
Data da publicação - 20-06-2024
Descrição - Aquisição de Serviços para Realização e Produção do Evento Guarda Wine Fest 2024
Entidades adjudicatárias        Essência Eventos e Comunicação Lda
Data do contrato - 19-04-2024
Preço contratual - 113.000,00 € mais IVA
Prazo de execução - 12 dias
3 – Com tanta festa do vinho e publicidade, é estranho que nas grandes superfícies, encontrar uma garrafa da Beira Interior, é preciso paciência.
E como é o negócio do vinho? Um exemplo:
Comprar no mercado local, os preços praticados, são demasiados altos para vinho de consumo corrente.
Uma nota de curiosidade: Aqui há uns tempos entrei numa garrafeira local e vi um vinho da minha zona, marcada com o preço de 43 Euros. Uns dias depois entrei numa superfície comercial e vi à venda o mesmo vinho por 10 Euros, sem promoção, passados uns tempos o mesmo vinho estava a ser vendido a 4,99 Euros.
E nos restaurantes? Escândalo absoluto no que respeita a vinhos.

quinta-feira, 20 de junho de 2024

Esturricar dinheiro no encerramento "dos santos da Guarda"

A preparação das salas para a festa de enceramento dos santos da Guarda. É o que se chama esturricar dinheiro.
1 - A destruição das zonas pedonais do Jardim José de Lemos é inexplicável. Vai ficar em estado de “intransitável”
 2 – Chapear o chão do jardim para montar barracas que poderiam estar na periferia, é só para gastar dinheiro sem necessidade.
3 – “Palquear” o chão em frente ao hotel turismo, para instalar as tascas e possivelmente as mesas, é gastar ainda mais dinheiro.
4 – Como até agora apenas foi adjudicada a iluminação por cerca de 22 mil euros, como vai ser pago este despesismo, com cantores, conjuntos, marchas, bancadas, arcos e balões e tudo o que falta?

quarta-feira, 19 de junho de 2024

O Genuíno Cobertor de Papa: Um grito de revolta

“A Associação O Genuíno Cobertor de Papa, sendo uma associação que funciona em regime de voluntariado, está há mais de 6 anos a prestar o serviço público de evitar a extinção e usurpação do cobertor de papa tradicional, genuíno, o ex-libris do concelho, um património único.
Para além de sermos voluntários, suportamos todas as despesas de manter em funcionamento o único lugar onde é possível este património ser produzido, pagando 500 euros de renda mensais pelas instalações, mais água, eletricidade, compra de lã, compra de fio, tingimento de fio, cardetas, madeira e outro material de desgaste, deslocações para feiras e eventos de promoção, etc.
Assim, para que os munícipes e cidadãos, em geral, possam refletir, aqui fica a cópia da entrega da primeira tranche, de 2024, no valor de 500 euros que, na passada segunda-feira, nos foi atribuído pelo Município, sem que nunca tenhamos recebido qualquer apoio extraordinário, quando, em 2022 e 2023, estivemos 10 meses sem produzir nem vender um único cobertor).
Anexamos um excerto da publicação em Diário da República, do Regulamento n.º 72/2015, relativo aos apoios às associações, cuja leitura sugerimos, acompanhada da respetiva reflexão.
Se a isto juntarmos a propalada intenção de candidatar o cobertor de papa a Património da UNESCO, então, qualquer pessoa deverá concluir que há algo que não bate certo. A verdade é que, se não fosse o projeto Papachurra, com a EDP Tradições, esta associação teria sido obrigada a encerrar e o cobertor de papa verdadeiro estaria extinto!
E por que razão não há interesse em certificar o cobertor de papa?
Conclusões impõem-se. Acreditamos que muitos não querem ver a verdade para não terem de agir contra a mentira. Parece que, desde 5/6 de setembro de 2023, esmoreceu todo o interesse em candidatar o cobertor de papa à UNESCO, pelo menos, não há forma de se passar das palavras aos atos.”
Há que ler, para crer:
https://www.facebook.com/profile.php?id=100080210156691

terça-feira, 18 de junho de 2024

Uma cidade digital e informação no Facebook

Como é fácil de constatar, a Guarda é uma cidade digital e está a ser pioneira nas relações entre o Presidente e os Munícipes. Toda a relação é feita através do Facebook.
No Facebook podemos ter acesso a toda a atividade do presidente e a a todas as informações, que os Munícipes precisam.
Isto vem a propósito das festas dos santos da Guarda e a sua grandiosa festa de encerramento.
No dia 15 junho 2024 aparece a seguinte informação:
⚠AVISO | CORTE DE TRÂNSITO ! VÁRIOS LOCAIS
No âmbito da festa de encerramento do Santos da Guarda torna-se necessário proceder aos seguintes condicionamentos de trânsito:
- Entre as 08h30 de dia 17 de junho e as 18h00 de dia 25 de junho – corte de trânsito: Praça do Município;
- Entre as 08h30 de dia 18 de junho e as 18h00 de dia 25 de junho – corte de trânsito: Rua Infante D. Henrique; Rua Balha e Melo; Av. Coronel Orlindo de Carvalho;
- Entre as 08h30 de dia 20 de junho e as 18h00 de dia 24 de junho– corte de trânsito: Largo Francisco Salgado Zenha;
- Entre as 14h00 de dia 21 de junho e as 02h00 de dia 24 de junho– corte de trânsito: Rua Nuno Álvares (sentido ascendente a seguir ao cruzamento com o Largo de S. Francisco e Rua Mestre de Avis); Largo General Humberto Delgado (entre cruzamento com a Praça do Município e a Rua Alves Roçadas). 
Mais se informa que para as necessárias montagens de estruturas será necessário cortar estacionamentos nas imediações das zonas acima referidas.
E pronto fizeram a sua missão: informaram. Mas esqueceram de informar as alternativas de estacionamento, mobilidade dos STUG, mobilidade pedonal e ciclista.
E como disse, a Guarda é uma cidade digital e eu informo:
Estacionamento: Estacione o carro nos bairros periféricos. Depois vá a pé. Há muito lugar. Ou então tente o desenrasca da segunda fila.
Mobilidade STUG: Esqueceram-se de reforçar as linhas, mas criaram uma linha pirata. A L03, começa na Escola da Sé e acaba no IPG. Nesta linha os STUG passam pelo menos com 24 horas de atras ou circular durante porque não se vêem. Da estação para a Guarda, nada foi reforçado. Nada acontece.
Já estão a funcionar os informadores digitais, informam, mas não cumprem.
Na ciclovia/pedovia o trânsito é tal que já estão a pensar colocar semáforos no cruzamento de Alfarazes.
Ciclistas nem vê-los, Pedovistas talvez ao fim de semana. E é isto um investimento em “modos suaves de mobilidade.

segunda-feira, 17 de junho de 2024

Obras de fachada: Câmara vai apoiar reabilitação dos núcleos históricos

“A Câmara da Guarda aprovou uma nova proposta de regulamento de incentivos à reabilitação de edifícios nos núcleos históricos do concelho”.
«É uma grande evolução. É para fazer despertar nos proprietários a necessidade de reabilitar os seus edifícios, seja no centro histórico da Guarda, seja nos aglomerados rurais do concelho».
“Este apoio tem regras muito claras e que é apenas para uma parte das coberturas e das fachadas e o montante a atribuir depende do projeto que for apresentado.”
«Estes apoios só poderão ser dados a quem garanta a arquitetura tradicional e original dos edifícios.”
E para dar o exemplo, para manter as fachadas tradicionais e parecerem que estão recuperadas, podem ser colocadas casotas para venda de bebidas.
A Praça ficou mais bonita e dá ares de recuperação. Até o telhado fica disfarçado.
Quanto ao programa, não foi dito quanto dinheiro está disponível, nem quantos projectos podem ser aprovados.