domingo, 19 de março de 2017

Concursos públicos e adjudicações directas

Torre
Uma jornalista do público andou a investigar os concursos de obras públicas e as adjudicações directas, e constatou que há cada vez mais obras adjudicadas diretamente.
E há uma explicação muitíssimo interessante. Resumindo:
1 – Uma obra é posta a concurso por um valor muito abaixo do custo real da obra.
2 – Não há concorrentes, porque não querem perder dinheiro ou não querem fazer obra má.
3 – Se mesmo assim houver concorrentes todas as propostas são excluídas por razões de ordem técnica ou financeira
4 – Não havendo propostas válidas então a entidade adjudicante pode fazer ajustes directos
5 – As obras são então adjudicadas por sucessivos ajustes directos
Notícia do Jornal Interior:
“A requalificação da rotunda que liga a Avenida de São Miguel à Avenida da Estação, junto ao Parque Urbano do Rio Diz, na Guarda, e que incluía a instalação de uma antiga locomotiva da CP, já não vai concretizar-se neste mandato”.
“O primeiro concurso público, com um preço-base de 438 mil euros, mais IVA, aberto pela autarquia ficou deserto e obrigou à «readaptação do projeto», adiantou Álvaro Amaro aos jornalistas no final da reunião de Câmara da passada segunda-feira. Segundo o presidente, com este contratempo a remodelação «já não será feita este ano», tendo sido deliberado por maioria, com os votos contra dos dois vereadores do PS, abrir novo concurso público”.

18 comentários:

  1. O candidato à camara pelo ps vai ser o adalberto fernande em segundo vai uma médica...
    Porque no PS ninguém aceita ser candidato.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que anda a fazer o presidente da concelhia para não apresentar um candidato?

      Eliminar
    2. Um especialista em saúde pública e médico é uma boa aposta para tratar da saúde dos guardenses que estão a precisar muito.
      Mas pensava que esse Adalberto era do PS, ou é outro que se aproveita do PS só para ter um cargo?
      kkkkk

      Eliminar
    3. mas não está estaturiamente obrigado o presidente da concelhia a avançar como candidato?

      Eliminar
    4. A concelhia do PS ainda é do PS?
      Se alguém da concelhia do PS avançar é o mesmo que só haja uma candidatura à câmara da Guarda.
      Tenham juízo.

      Eliminar
  2. Ministro tirou o tapete a Dr.a Coelha, vai indicar um médico, um enfermeiro e 2 gestores profissionais de outras areas e com formação avançada em gestão e o representante da CIM. Uma aceitando parte das ideias da distrital socialista e avança com nomes próprios do ministério.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é especulação, palpite ou tem fundamento?

      Eliminar
    2. Aguarda que vais ver que é verdade

      Eliminar
  3. A ULS está outra vez na tv, parabéns sr. Ministro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu diria antes, Parabens Sr Presidente do CA, Parabens Sr Diretor de Departamento, Parabens Srª Diretora de Serviço, Parabens Srª Gestora do Departamento, e assim sucessivamente...

      Eliminar
    2. Só têm um caminho!! Rua....

      Eliminar
  4. A Opus Dei tenta manter o máximo de poder na sociedade. O facto de terem pessoas nestes lugares dá-lhes poder e permite-lhes implementar as suas ideias

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pensava que esse Adalberto "fosse só do PS"...

      Eliminar
    2. Nao sei se será só essa "ceita" que quer lá meter mais uma, mas os aventais querem voar para uma panela...

      Eliminar
  5. Isto não se trata de opus dei ou maçonaria ou seja o que for. É incompetência pura e simples.
    Saiu um novo decreto-lei com novas regras para as uls.
    O CA tem que ir abaixo e ser substituído por outro de acordo com a nova lei.
    Ministro, secretários de estado, assessores, ars centro, socialistas da Guarda e de Lisboa, deputados, etc., ninguém estudou a lei, ninguém se preparou e ninguém conhecia suficientemente a realidade da instituição para ter uma solução lógica, correcta e profissional pronta para aplicar no dia seguinte ao da publicação da lei.
    Desde meados de Dezembro que se sabia que o decreto-lei tinha sido aprovado em conselho de ministros.
    Toda esta gente estava a dormir e a preparar-se para improvisar, como é costume.
    Depois atiram-se uns nomes: a rádio Altitude faz campanha por um, o Interior por outro, o facebook é uma festa de boatos e sugestões, a concelhia do ps tenta impingir uns, a distrital outros. O psd aproveita para borrar ainda mais a pintura. Os deputados não percebem nada do assunto. Os políticos da terra também não. 3 ou 4 socialistas dentro do hospital tentam mexer cordelinhos para levar ao poder quem os promova dentro da casa.
    E com tudo isto a ULS está à deriva, a ocupar páginas de jornais e telejornais pelas piores razões, à mercê de jornalistas oportunistas e sensacionalistas.
    É um festival de incompetência e irresponsabilidade.
    Pobre terra esta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como é possível que ninguém (Ministro, secretários de estado, assessores, ars centro) tenha estudado a lei se foram os governantes que a fizeram?
      E como é possível que ninguém (Ministro, secretários de estado, assessores, ars centro) conheça suficientemente a realidade da instituição quando consta que o "deputado de proximidade" mantém uma presença bastante assídua na ULS?

      Eliminar
    2. Concordo. Mas a uls está à deriva desde que entrou o atual ca, contra o psd local mas com o apoio do presidente.
      Agora o ps foi uma desgraça de azares, se tivessem escolhido as pessoas certas (mesmo que do ps) que tenham experiencia em gestao, formaçao superior em gestao e que consigam passar na cresap sem cunhas ou favores se assim fosse o ministro promulgava de cruz coma a outra idiota. Mas os socialistas nem para eles sabem ser bons...

      Eliminar
    3. A lei está mal feita porque não especifica um "perfil" para o cargo de Presidente, alguém com formação em gestão hospitalar, ou então é porque é apenas um lugar de representação. Ser um médico não resolve nada porque vai ser tendencioso ao defender interesses da classe e para médico há a direção clinica como para enfermagem há um enfermeiro diretor que têm competências defenidas na lei mas deveiam ser eleitos pelos respetivos colegas e não eram necessários vogais, o presidente contratava dois ou três assessores para áreas especificas até porque há o risco da CIM indicar uma pessoa sem nenhum conhecimento de saúde como parece que querem fazer.

      Eliminar