domingo, 25 de janeiro de 2015

Museu da Guarda

Foto: Uma sala do Museu da Guarda
Se querem ver como um museu está morto na Internet procure as páginas do Museu da Guarda.
Não há páginas para consultar, a passagem de nacional para regional ainda não se fez nem e não nos informam quando poderão as páginas estar disponíveis.
mguarda.drcc.pt/
(Este filme já passou também na Região de Turismo do Centro, que andaram mais de um ano para construir a página da Serra da Estrela)

O incómodo dos Socialistas da Guarda

Alguns órgãos de comunicação social noticiaram que alguns socialistas do Concelho da Guarda ficaram incomodados com a Ceia realizada em Seia, organizada pelo PS Distrital e que teve a presença do Secretário-geral António Costa.
Não se percebe muito bem este incómodo, porque deste há muito tempo que o líder Distrital abandonou a Guarda e os militantes do Concelho Guarda estão a deixar morrer o Partido, fazendo muito pouco para o revitalizar.
Gostaria de ver o incómodo transformado em vitalidade, neste ano de eleições. 

sábado, 24 de janeiro de 2015

Telheiro de Acesso ao antigo Restaurante Telheiro

Está quase a desabar o telheiro de acesso ao antigo restaurante “Telheiro" que ultimamente era bar karaok.
Não sei se as obras que se fizeram na zona, Rotunda da Luz, contribuíram para o mau estado dos pilares e vigas de madeira.
Vamos esperar que se desabar não esteja ninguém por lá.

Penhas Douradas: Nova Aldeia de Montanha

Penhas Douradas e lagoa do Vale do Rossim
Como se sabe a Câmara da Covilhã inventou a primeira Aldeia de Montanha nas Penhas da Saúde, Serra da Estrela e lá está para ser admirada aquela barbaridade serrana.
A Câmara de Manteigas quer agora recuperar mais um projecto megalómano para as Penhas Douradas, Serra da Estrela.
O projecto engloba a criação de uma Aldeia de Montanha, com vertente turística, turismo de natureza, desporto e aventura.
Estão também incluídos um teleférico entre Manteigas e as Penhas Douradas, espaços públicos polivalentes, um centro de treino de alto rendimento, um hotel de 4 estrelas e vários “chaletes”.
Não há nada que não se resolva com três ou quatro dezenas de milhões de euros e como se sabe vão chegar “charters” de milhões de euros da União Europeia qualquer coisa como 21 mil milhões.
Nota – a ASE – Associação Amigos da Serra da Estrela sediada em Manteigas apresentou uma proposta para atrair turistas de montanha:
“Criar um Circuito no Planalto Superior (CPS), com cerca de 50 quilómetros de extensão com o objectivo de atrair visitantes para a Serra da Estrela durante todo o ano, mediante a criação de percursos pedestres a mais de 1.500 metros de altitude”.
“O plano sugere a criação de uma rede «de veredas bem estruturadas e consolidadas que considerem alguns elementos» existentes e de refúgios de montanha para apoio aos utilizadores”.
“O custo de um quilómetro de estrada dá para construir 250 quilómetros de vereda numa zona de montanha”.

Rotunda dos Bombeiros

Rotunda dos Bombeiros de acesso à VICEG

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

A abertura da Sé a turistas e mais um número de propaganda

Sinos da Sé da Guarda, antes do restauro
Ao fim de 3 anos de exercício de mandato de directora da Cultura do Centro, Celeste Amaro, acha estranho que sendo a Diocese a guardiã das chaves do monumento, não tenha nenhum funcionário para manter as portas abertas da Sé para além das horas do serviço religioso. (Informação com base numa notícia da Rádio Altitude de 21 de Janeiro)
Nisto, eu acho estranho muitas coisas:
1 – Acho estranho que a Direcção de Cultura do Centro não resolva o problema com tanta gente que há disponível
2 – Acho estranho que só agora se fale nisto pois a situação já se arrasta há vários anos.
3 – Acho estranho que a comunicação social da Guarda que durante anos criticou a Câmara por não colocar funcionários na Sé, agora se cale
4 – Acho estranho que “O Património” seja gerido dos gabinetes centralizados, quando interessa e queiram descentralizar quando lhes convém.
5 – Acho estranho que a Cultura do Centro não tenha ouvido os possuidores das chaves da Sé quando instalaram aquela coisa do aquecimento nos bancos e que tem originado comentários bem interessantes e que fazem corar muita gente.
6 – Acho estranho que com tantos funcionários públicos a serem preparados para o despedimento, não se encontre nenhum que, com alguma formação, seja capaz de servir de guia na Sé.
7 – Notícia do Rádio Altitude de 22 de Janeiro:
“ A Câmara Municipal da Guarda chegou a entendimento com a Direcção Regional de Cultura do Centro para garantir a abertura contínua, entre as 10h00 e as 18h00 durante todos os dias da semana, da Sé Catedral. Funcionários do Museu da Guarda já asseguravam o serviço de terça-feira a domingo até às 17h00 com intervalo à hora de almoço e agora a autarquia cobre os restantes períodos”.
Mas o vereador da Cultura diz que este modelo de articulação só garantirá a abertura do monumento ao público até final de Março, sendo depois necessário definir alternativas”.
“E, tal como já tinha feito a directora regional de Cultura, Victor Amaral lembra que a catedral está sob a responsabilidade da diocese, entidade que nunca destacou qualquer elemento para este efeito. Caso único na região, como tinha assinalado Celeste Amaro”.

Edifício “Café Mondego”


quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

TGV – Aveiro/Viseu/Vilar Formoso

Painel de azulejos no edifício novo da estação, mostrando o edifício velho
Há novidades na nova linha de Caminho-de-ferro da zona centro. A ligação Aveiro/Vilar Formoso começa a tomar forma e a Guarda vai ficar a perder.
Eis o que diz o jornal on-line “O Sol” Jornal on-line “O Sol”, http://sol.pt/noticia/122446 Amadeu Araújo 21/01/2015, 13:04:45
“A ligação que o Governo negoceia com a UE retoma o projecto de 2009, do troço designado Lote 4A - entre Aveiro e Celorico da Beira, acordado com Espanha. Será em bitola europeia e ligará o noroeste peninsular, através da ligação da Linha do Norte a Salamanca, incluído nas redes transeuropeias. O atravessamento da fronteira a norte de Vilar Formoso possibilita a ligação em pouco mais de 130 km, o que encaixa nos orçamentos previsíveis”.
“O troço terá uma extensão de 110 km, com passagem por Viseu. O custo por quilómetro aponta para 10 milhões de euros e pressupõe 60 quilómetros de via única. Quanto ao financiamento, o valor final está ainda por definir. Um estudo do Grupo de Trabalho Centro e Norte, que reúne as associações empresariais de Portugal, Minho e Centro, aponta para um investimento de 1,9 mil milhões de euros, um valor “incomportável porque equivale ao dinheiro que o país dispõe para o investimento total em ferrovia”, sustenta um responsável político ouvido pelo SOL”.
“Todavia, lembra que o estudo foi feito com base numa via dupla, quando se prevê agora uma via única, capaz de garantir velocidades até 250 km em bitola europeia, a que acresce um ramal de ligação a Viseu, de 5 km, e outro entre Vila Franca das Naves e a Plataforma Logística da Guarda. Essa solução fará Portugal “honrar os compromissos e dividir as verbas disponíveis entre a ligação Aveiro-Salamanca e Sines-Badajoz”, acrescenta”.

Casa do Dr. José de Almeida


quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

O PS e a Auditoria

O PS ficou agarrado e atarantado com uma auditoria encomendada há 1 ano pelo actual Executivo Camarário, apesar de já ter em seu poder uma contra auditoria com números completamente diferentes.
Para mal da Guarda o PS ficou agarrado a esses dois documentos e está a esquecer-se de fazer oposição.
Aumenta o IMI para pagar as dívidas herdadas. Aumenta a água para pagar as dívidas herdadas. Aumentaram os transportes em 20% porque houve necessidade de pagar uma coima à Microsoft. As adjudicações diretas continuam em bom ritmo
Tudo isto e muito mais a oposição deixa passar e não faz perguntas, nem intervém como devia, na Comunicação Social. Chegando mesmo o ponto de ver a oposição a elogiar os gastos sobretudo com as festas, pois contribuirão para aumentar a “autoestima” dos Guardenses.
Sabemos que é difícil fazer oposição, mas tanta mudez, incomoda.

Loja Conde e Gião


terça-feira, 20 de janeiro de 2015

O Jardim das rendas

Foi no Domingo passado que passei
No jardim onde montaram as rendinhas
Mas está tudo tão desbotado
Que não vi em nenhum lado
As tais bonitas rendinhas
Desde o tronco até aos ramos
Só vi farrapos para lembrar as rendinhas
As árvores tão garridas que ficavam
Com todas aquelas rendinhas
Perderam de todo a graça
E hoje estão quase todas
Molhadas, enroladas e às voltinhas
Que nem parecem rendinhas
Para terem feito o que fizeram das rendinhas
Que foram montadas no Natal
Da maneira que estão ridículas
Pois que fiquem até ao Carnaval
(Plágio de baixa categoria do Fado Casa da Mariquinhas)

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Transferência de Competências

Peça da coleção do Museu da Guarda. Foto do Museu
Menino Jesus Salvador do Mundo, Madeira policromada, Século XVI, Centro de Produção: Malines – Flandres.
1 – O Governo aprova um Decreto para transferir competências nas áreas da Educação, Saúde e Cultura para as Autarquias
2 – O Presidente dos Autarcas Social-Democratas, Álvaro Amaro, deu uma conferência de Imprensa a congratular-se com a decisão
3 – O Presidente da Associação Nacional de Municípios, Manuel Machado (PS), declara que está desiludido com o Decreto e faz críticas ao Governo.
4 – Alguns Presidentes de Câmara que estavam em negociações para a transferência de competências na Educação, continuam críticos e não estão preparados para receber uma boa parte das competências que o Governo no quer transferir, os do PS já estão fora
5 – O Secretário de Estado da Cultura, Barreto Xavier, anunciou que há cinco Municípios interessados em receber competências do Governo, não dizendo quais são.
6 – Já sabíamos que o Município da Guarda quer receber o Museu para criar um novo museu da cidade
7 – Com o actual Secretário de Estado da Cultura, Barreto Xavier, Com ligações à Guarda, o Museu da Guarda deve ter batido o recorde mundial de rapidez na despromoção: Num ano pode passar de um Museu da rede Nacional de Museus para um Museu Concelhio, passando por um Museu Regional dependente da Direção de Cultura Centro.
8 – O Clube de Amigos do Museu, sempre activo na tomada de posições ainda não veio a público dizer que sim, porque presumimos que não dirá não.