sábado, 9 de setembro de 2017

Eu no Blogue de Vila Mendo

Entrevista/depoimento dado ao Blogue da Associação Cultural Recreativa de Vila Mendo – Vila Fernando - Guarda
http://acrvilamendo.blogspot.pt/
O texto que se segue não é com certeza uma entrevista, é uma escrita corrida, escrevendo de memória, sem querer ser rigoroso.
Nasci em Vila Nova de Tazem, Concelho de Gouveia, em 1947
Estudei na Escola Industrial de Gouveia, na Escola Industrial Infante D. Henrique no Porto e no Instituto Industrial do Porto.
Fiz a Guerra Colonial em Moçambique
Entrei para a Renault da Guarda em Fevereiro de 1974, transitando depois para a Reicab/Delphi até atingir a idade da reforma.
1 - Como analisa a situação da Guarda no presente (e em comparação com os últimos 30 anos) nos aspectos económico, social e político?
A Guarda, cidade, era até aos anos 60/70 uma cidade no alto do monte, muito concentrada no seu centro histórico.
Era uma cidade de muitos serviços e alguma indústria, sobretudo nos têxteis. A instalação da Renault e da Femsa  na Guarda t,razendo investimento importante e novos quadros técnicos, fez com qua a Guarda desse o seu primeiro grande salto.
No pós 25 de Abril a Guarda começa a modernizar-se, nem sempre bem, pois cresce de forma desordenada, sem um plano director claro, que só mais tarde veio a ser feito e por imposição do governo central.
A indústria automóvel cresce de forma exponencial e as fábricas da Guarda acompanham o crescimento, que infelizmente não é acompanhado pelos investidores locais, pois não apareceram indústrias complementares de apoio à indústria automóvel, e era preciso comprar fora sobretudo a metalurgia.
Nos anos 80 uma parte importante do tecido industrial da Guarda, que eram os texteis, entra em declínio e não sabendo modernizar-se, nem ser competitivo, vai encerrando aos poucos.
A indústria automóvel, e outras nomeadamente a Gelgurt, vão assegurando e aumentando o número de empregos.
 Acompanhando este ritmo, o sector de serviços instala-se. Funcionários públicos e privados. Os bancos, o hospital, a câmara, a segurança social entre outros dão vida à cidade.
Até às crises que se foram sucedendo durante este século XXI
E como vão as aldeias e a sua população? Nos anos 70,Sem estradas alcatroadas, sem água, sem esgotos e muitas sem electicidade, vão conhecer uma grande melhoria nas suas condições de vida. É a grande revolução rural. Mas com a oferta de emprego na cidade as populações deixam as aldeias e instalam-se na cidade e aí começa o despovoamento.
Actualmente a cidade continua a viver as consequências das indústrias de mão-de-obra barata e intensiva, que se deslocalizaram para países mais baratos. O que restou está com pujança suficiente para se manter e quase se pode afirmar que estamos ao nível dos anos 80.
A envelhecer e sem a criação de novos empregos, a PLIE continua estagnada, a Guarda perde habitantes por duas vias. Pela via da morte dos mais velhos e pela saída dos mais novos, quer para o litoral quer, para o estrangeiro.
Politicamente a Guarda pode ter sofrido com o facto de ter um partido dominante e uma oposição quase sempre distante e fraca.
Há quatro anos, com a falta de liderança, o Partido Socialista perdeu o poder para o Partido Social Democrata e pensava-se que a Guarda poderia ter um novo folgo de progresso.
No entanto, o novo Presidente, sem uma estratégia clara de desenvolvimento, vai-se gastando em pequenas obras de arranjos pontuais e em festas para as multidões.
E é sobretudo no Centro Histórico que se verifica a falta de estratégia, pois o abandono é cada vez maior e a degradação aumenta.
As aldeias, mesmo com a melhoria substancial das condições de vida, continua a despovoar-se e neste momento a Guarda, cidade, só está a ganhar população à custa das aldeias do concelho, quando antes ganhava o concelho à custa dos concelhos vizinhos.
2 - Que projecto(s) são indispensáveis para que a Guarda seja uma cidade atractiva, pujante, liderante?
Esta é uma pergunta difícil e não há respostas óbvias.
Alindar a cidade é importante mas é insuficiente. As festas são importantes, no entanto são festas que basicamente atraem as populações do concelho e muito poucos de fora.
O emprego na indústria ainda é insuficiente, mas a Guarda não tem mão-de-obra qualificada para responder às necessidades.
O turismo é de passagem e não temos programas que possam atrair o turista por mais de um dia.
A PLIE está adiada, como foi dito, e a futura plataforma ferroviária será mais um mito. Os comboios de mercadorias passarão pela Guarda porque aqui não se fabrica nada que possa ser carregado e descarregado dos contentores ou vagões.
A dita produção endógena não sustenta o concelho e é visível na Feira Farta a boa vontade das Juntas de Freguesia para apresentarem os seus produtos e que a maior parte deles apenas são feitos para a ocasião.
Na minha opinião o motor deveria centrar-se no Instituto Politécnico, com a investigação, com cursos diferenciadores, com ligações à indústria portuguesa e não só à Guarda.
Para complementar o investimento nas indústrias culturais e criativas poderia ser outra saída, agora muito apoiadas pela Europa.
A Comunidade Intermunicipal ainda não encontrou o seu lugar e é uma mera plataforma para concorrerem aos recursos da Comunidade Europeia com disputas político-partidárias apenas pelo poder.
Se tudo continuas assim, o interior deixa de ter futuro e não chega pedir de joelhos ao poder central que atribua umas migalhas ao interior.
3 - Estamos a entrar (ou já entrámos) em campanha eleitoral. Como vê toda esta azáfama que começa a marcar o dia-a-dia da nossa cidade?
A azáfama eleitoral começa sempre muitos meses antes da pré-campanha para quem está no poder. Os meios colocados no terreno são imensos. Desde a TV corporate em todos os locais camarários, até às redes socias, a campanha começa muito antes.
Quem está na oposição normalmente acorda tarde e anda atrás dos acontecimentos e é por isso que quase nada se vê, tirando os placards espalhados pelas rotundas.
Não há debates, não há apresentação de programas.
Só a feitura das listas animou a cidade, mais pela curiosidade de saber quem vai e quem não foi do que por resultado de discussão pública.
A Comunicação Social local está a passar ao lado disto pelos muitos condicionalismos e que podem pôr em causa a sua sobrevivência.
4 - É administrador do blogue “Sol da Guarda” (blogue bastante visitado e seguido) onde está atento à actualidade da nossa terra. Como vê a influência da blogosfera (e das redes sociais) comparativamente com o jornalismo “tradicional” (jornais e rádios, no caso da Guarda)?
A Comunicação Social da Guarda tem alguns constrangimentos, ligações familiares, falta de anúncios, pressões de retirar apoios, há um pouco de tudo.
As redes sociais estão muitos activas e muitas vezes pelos piores motivos.
Criam-se blogues e páginas com perfis falsos e criam-se também exclusivamente para estas alturas, para criticar, para elogiar e para insultar. Há um pouco de tudo. É preciso criar muitos filtros para compreender o que nos querem dizer e quem o diz.
Dar a cara continua a ser muito difícil.
É o futuro das campanhas, casa a casa, computador a computador. É por isso também que as bases de dados de utilizadores são pagas a preço do ouro.
5 - É natural de uma comunidade rural (Vila Nova de Tazem). Como vislumbra o futuro das comunidades rurais e do próprio interior como tal?
A comunidade rural onde me criei tem muitas particularidades.
Já foi a Freguesia, agora Vila, rural mais importante do Distrito da Guarda. Agora está a morrer, até a escola básica vai desaparecer. Já teve mais de 3 mil residentes agora não terá mil.
Sempre viveu do vinho, das batatas e da imigração. Para os chamados Congo Belga e Francês, Para a Angola, Para a Venezuela e mais tarde para a França e Alemanha. Mais recentes Estados Unidos e Suíça. E assim viveu à sombra dos imigrantes que regressavam sempre. Agora é uma desolação de tantas casas abandonadas.
As batatas só para consumo doméstico. O vinho está bem, quer na adega cooperativa, quer nas quintas particulares, que produzem vinho de grande qualidade. Ultimamente até Joe Berardo lá comprou uma vinha.
Será o futuro?
6 - Que lhe diz Vila Mendo?
Vila Mendo não me diz muito. Sei que pertence à Freguesia de Vila Fernando. É uma terra onde se vai, não se passa. Fui lá algumas vezes, há uns anos, pois havia aí uma modista de senhoras que trabalhava muito bem.
Creio que durante o meu percurso profissional lidei com pessoas de Vila Mendo.
Sei pelo blogue, que acompanho, que a Associação Cultural Recreativa de Vila Mendo, é muito dinâmica e tenta valorizar as suas gentes e a terra.
E ainda, que tem uma fonte com água muito boa, a melhor, disseram, no blogue.
E já está, obrigado pela oportunidade. Muito tempo de vida para o Blogue e para a Associação.
Para Vila Mendo que continua a sobreviver com a festa do Chichorro, apesar de fazer muito mal.

16 comentários:

  1. De fato, a água de Vila Mendo é a melhor água da zona e tem uma atividade associativa interessante apesar de ser uma aldeia pequena.

    ResponderEliminar
  2. Vila Mendo existe, onde fica, será a quinta de Vila Fernando, ainda tem habitantes? Uma associação virtual pelos vistos tem.

    ResponderEliminar
  3. Caro 1636
    Estive hesitante entre mandar este comentário para o lixo e fazer publicação. Optei por esta última, para lhe dizer que "pelos vistos" a associação não é virtual. Tem actividade e vai lutando pelas pessoas da sua terra. Quanto a ser quinta de Vila Fernando até pode ser a sexta. Anexas há muitas.
    A Oliveira

    ResponderEliminar
  4. Ao anónimo do dia 10 de Setembro, tenho a dizer-lhe que (e para completar os seus parcos conhecimentos) Vila Mendo existe; tem poucos habitantes, infelizmente, e nao é nenhuma quinta, mas não haveria problema se o fosse.
    Quanto à Associação: é real, visível e palpável. Para afirmar que é virtual, o anónimo demonstra ser ignorante (burro como se diz em Vila Mendo) por, no mínimo, não verificar o que diz, ou está a ser mal intencionado (um merdas como se lá diz também). Seja sério (difícil para quem se esconde no anonimato) e veja da actividade de Vila Mendo ( no blogue acrvilamendo.blogspot.pt pode constatar isso mesmo). Será que as Festas dos Chichorros, os Encontros Motards, as Caminhadas, os Passeios BTTs, as Exposições Fotográficas, os Vila Mendos On Tour, os Encontros Mitológicos, os Cozeres do Pão no forno comunitário, os Jantares de Natal, as edições de dois Cadernos de Memórias, a própria Festa entre outras actividades e convívios, além de a própria Associação estar aberta regularmente, tudo isto é virtual? Valho-nos Deus...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Encontros «Mitológicos»? Mau...

      Eliminar
    2. Encontros micológicos.

      Eliminar
  5. Infelizmente, cada vez mais encontramos pessoas maldosas pela frente. O anónimo de 10 de setembro - que não passa disso mesmo - talvez por falta de coragem ou até mesmo só pela questão da maldade, fez questão de fazer um comentário no mínimo ridículo, demonstrando não ter nenhum sentido de oportunidade, nem mesmo demonstrar um pouco de inteligência. Ora bem, vejamos os factos... Se refere que é uma associação virtual, a qual dispõe imensas fotografias de Vila Mendo, da aldeia em si, das pessoas, das atividades que lá são realizadas, como consegue dizer tal barbaridade?
    Senhor anónimo, vá ao blog da nossa associação, e na próxima atividade que a nossa associação realizar, dê um pezinho até Vila Mendo e vai descobrir a essência da nossa terra. Certamente começará a ver Vila Mendo de uma forma diferente e quiçá, voltará lá mais vezes.

    Cumprimentos,
    Rodrigo Costa

    Membro da direção da Associação Cultural e Recreativa de Vila Mendo

    ResponderEliminar
  6. Ah, e como se diz lá na nossa terra : VIVA VILA MENDO!

    ResponderEliminar
  7. Anónimo10 de setembro,16h37..
    Está convidado a aparecer em vila mendo dia 32 deste mês..

    ResponderEliminar
  8. a esse anónimo fazia-lhe bem um banho no pio, no chafariz. Mas depois estragavamos a àgua.

    ResponderEliminar
  9. Certamente haverá outras associações de aldeias tão pequenas em população como Vila Mendo e que fazem um trabalho ainda maior e mais meritório que esta. Só gostava era que me dissessem onde até porque teríamos interesse em reunir e falar com eles. A atividade da Associação de Vila Mendo existe ao longo de todo o ano e abarca cerca de 2.000 pessoas reais em cada exercício. Virtuais são algumas pessoas que não têm coragem para dar a cara.

    ResponderEliminar
  10. Algumas pessoas de vila fernando não conseguem assimilar o fato de Vila Mendo fazer coisas, ter dinâmica. A inveja é tramada.

    ResponderEliminar
  11. O que é um anónimo de 10 de Setembro? Isso mesmo, nada. É um comentário perdido num blog e uma personalidade virtual.

    ResponderEliminar
  12. António Terras da Fongte13 de setembro de 2017 às 13:02

    Como o comentário do Sr.ignorante fez com que nós as pessoas de Vila Mendo nos exalta-se-mos na defesa desta nossa Terra. Isto demonstra como o principal de um local seja pequeno ou grande não é só os edifícios ou os monumentos mas sim as suas gentes e VILA MENDO tem na sua essência grandes pessoas que defendem aquilo que é seu.
    VILA MENDO nunca será pequeno enquanto houver quem goste de lá ir e a defenda desta maneira pura e sinsera.

    António Terras da Fonte

    ResponderEliminar
  13. Apraz-me bastante ver que a nossa Associação é motivo de desabafos que relatam, sem querer, o que lhes vai alma...( inveja )
    É mais fácil criticar, do que fazer.
    O medo de arriscar é transversal a todos.
    A nossa Associação faz, aprende, evolui, divulga ( e bem que até aos anónimos chega) o seu nome.
    Humildade e respeito são alguns dos valores que em Vila Mendo persistem.

    Viva Vila Mendo !

    Vamos continuar o nosso bom trabalho !

    Um sentido abraço,

    Telmo Conde

    ResponderEliminar
  14. Por aqui se vê e se explica porque é que uma Associação de uma aldeia tão pequena funciona: união e um objetivo comum.

    ResponderEliminar